CARICATAS

 

Menu

Links

PALMA LOUCA


A CAMINHO DA BANDA DE IPANEMA 2007.jpg

(((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((
"O PRECONCEITO É A MAIOR FORMA DE VIOLÊNCIA
)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))
PARA ACESSAR O SITE:
COPIE E COLE O LINK ABAIXO NA BARRA DE ENDEREÇO
http://www.palmalouca.com.br/fotojornal/fotojornal.jsp?id_fotojornal=168&currentPage=1
__________________________________________________
A Banda chegou
PEDRO SCHPREJER E TIAGO CARVALHO

Direção: Ipanema
Os atores Adagoberto Arruda, Goubert David, Everton Frank e Juarez Lessa vendem petiscos no Terreirão do Samba. No dia do desfile da Banda de Ipanema, a barraquinha vira camarim. Depois de muita maquiagem, o quarteto se transforma na Embaixada das Caricatas, que já recebeu menção honrosa na Assembléia Legislativa do Rio. "Somos tombados", orgulha-se Everton, enquanto veste a saia, calça meias-arrastão e adiciona dúzias de penduricalhos à fantasia. Experiente, Adagoberto traça a estratégia para aproveitar o desfile: "Perto dos instrumentos é muita mão na bunda. Lá na frente a brincadeira é mais sadia."

Olha a saia do bruto!
A Embaixada desfila na Banda há 15 carnavais. Já se vestiram de ciganas, fadas, diabinhas e enfermeiras. A fantasia deste ano é garçonetes debutantes. Inclui minissaia, blusas bufantes, coturnos e uma touca dourada com um cachorro quente coberto de paetês. Adagoberto, alto e corpulento, torna-se Sandra Helena. O elástico Goubert, bailarino profissional, vira Neusa Íris. O contido Everton Frank assume a personalidade de Tiña Penna, e o gentil e musculoso Juarez transforma-se em Milita Namur. Um peão que observa Juarez desfilar no Terreirão com a autoridade de um legionário romano pensa alto: "Caraca, mané! Olha a saia do bruto!"

Hora de brilhar
Adagoberto tem dois pratos de metal na mão e bate um contra o outro. O estrondo e a gargalhada anunciam: é hora de as Caricatas brilharem em Ipanema. Em pouco tempo, o quarteto some entre as 50 mil pessoas que acompanham a Banda pelas ruas do bairro, num ritual que se repete há 43 anos e que foi tombado, em 2004, como patrimônio cultural da cidade. Desde 1964, malucos e caretas, bichas e espadas, mocinhas e sapatões - além dos infalíveis batedores de carteira - sacodem-se ao som da Banda. O naipe de metais toca marchinhas, sambas-enredo e clássicos do cancioneiro brasileiro, como Carinhoso, que sempre encerra o desfile.